segunda-feira, 29 de setembro de 2014

Faltam cinco dias senhores


É meus nobres colegas, estamos chegando na reta final!!!
E você? Já se decidiu? Já escolheu seu candidato? Sabe que sua escolha poderá interferir diretamente na sua vida profissional e familiar?

Gostaria de agradecer a todos os Batalhões e Postos Policiais onde passamos e tivermos a oportunidade de expormos nossas idéias, projetos e propostas. De Planaltina a Santa Maria a receptividade foi algo além do esperado por todos nós. De sugestões a críticas ouvimos de tudo e ainda estamos preparados para ouvir muito mais, até o último dia de campanha.

Não sabemos o que as urnas nos revelarão, mas temos uma certeza: Precisaremos ter nossos representantes. E torcemos para que ele seja aquele que se comprometeu desde o início com as categorias, que não se desviou de sua conduta, que não nos traiu se aliando a partidos e pessoas de base ou apoio a esse governo e que acima de tudo soube respeitar seus adversários políticos, fazendo uma campanha limpa e honesta.

No próximo domingo, dia 05 de outubro, será o grande dia para nós policiais e bombeiros. Um momento de decisão para o nosso país, nossa cidade e principalmente para nossas categorias, com grande responsabilidade para cada um de nós. Para mim, mais importante do que o candidato é o processo de escolha. Ter valores é fundamental.

Não sei qual será sua decisão frente às urnas, mas posso lhe dar a sugestão de responder quatro perguntinhas que talvez possa te ajudar a se decidir e que me foram enviadas por um amigo psiquiatra:

1-    Para qual candidato eu confiaria o meu negócio por três meses e ele me devolveria com lucro?
2-    Qual candidato eu escolheria para cuidar e educar os meus filhos?
3-    Para qual emprestaria dinheiro de olhos fechados, com a tranqüilidade de que receberia de volta?
4-    Qual candidato eu hospedaria na minha casa, junto com a minha família, por um período de três meses?

Se todas as respostas indicarem o mesmo candidato, você estará fazendo a escolha certa. Caso contrário, reflita, pesquise e avalie melhor.

Grande abraço e rumo à vitória, se Deus permitir e os senhores nos ajudarem,


Poliglota25190...

domingo, 28 de setembro de 2014

Sugestões para o Projeto de Reestruturação. DEIXE A SUA TAMBÉM!

Alguns dos pontos básicos que PRECISAM ser alterados no projeto de reestruturação proposto pelo comando:

1. Exigência de Bacharel em Direito para o cargo de Oficial da PMDF. Art. 5º §1º

A PMDF enfrenta graves problemas na área de gestão organizacional, dificuldade de executar os contratos administrativos, dificuldade de empenhar os recursos recebidos por falta de planejamento, falta de continuidade dos projetos iniciados. O que justificaria o Coronel Bacharel em Direito ser Comandante de uma Diretoria de Telemática ou Logística?

Não há qualquer estudo técnico que indique que os Gestores de qualquer Instituição, portadores do diploma de Bacharel em Direito são melhores capacitados para exercer tal função.

SUGESTÃO: NESSE SENTIDO, DEVE SE MANTER o nível superior em qualquer área do Conhecimento para o Ingresso em todos os QUADROS DA PMDF.

2. Criação do Quadro de Oficiais Policiais Militares Complementares (QOPMComp) mantendo o Quadro de Oficiais Policiais Militares Administrativos.(QOPMA) e Precedência Hierárquica dos Oficiais QOPM sobre estes.

Art. 37 e Art. 37 §2º

O QOPMA foi criado para possibilitar e privilegiar aqueles praças que dedicaram dois terços de sua carreira policial militar as atividades operacionais, mas que se prepararam intelectualmente e profissionalmente para exercer funções de chefia e comando e auxiliar os Oficiais Superiores na gestão da Instituição.

O QOPMCompl se trata de uma necessidade real da Instituição que carece de profissionais de áreas técnicas (Engenheiros, Pedagogos, Contadores, Advogados, etc..), acontece que esses profissionais podem ser selecionados entre os praças, que em sua esmagadora maioria já possui diploma de nível superior e já ingressam na PM com experiência profissional do mundo civil, pelo mesmo sistema de seleção dos os Oficiais QOPMA, concurso Interno.

A Proposta afirma que os Oficiais QOPM devam ter precedência hierárquica sobre os demais Oficiais, ou seja podemos ter um Oficial Engenheiro tendo que acatar decisões em sentido oposto da precisão de seus conhecimentos de outro Oficial de mesma patente, consubstanciando o fim de qualquer iniciativa que enalteça a meritocracia e a gestão por competência

SUGESTÃO: Manter o QOPMA mas com vagas especificas para determinadas áreas do Conhecimento de acordo com a demanda da Instituição e assim permitir a oportunidade dos Praças mais preparados possam participar do Processo Decisório da Instituição que servem.

3. Critérios de Promoção. Art. 50

A proposta de reestruturação extingue a promoção por Ato de Bravura, um benefício que era inerente aqueles policiais que desempenham seu serviço na rua enfrentando face a face a mais cruel criminalidade de nossa cidade. O ato de bravura resultava de ato não comum de coragem e audácia, que, ultrapassando os limites normais do cumprimento do dever, representa feito heroico indispensável ou relevante às operações policiais militares ou à sociedade, pelos resultados alcançados ou pelo exemplo positivo deles emanado.
SUGESTÃO: Incluir como critério de promoção o ato de bravura nos moldes do Art. 9º da Lei 12.086/09.

4. Processamento das Promoções e Inclusão no Quadro de Acesso(Art. 63 a 81). Ficha de Avaliação de Desempenho(Art. 82 a 91).

Esses são os pontos mais polêmicos e que podem gerar mais prejuízos para os Policiais Militares, tanto Praças como Oficiais.

O fim das avaliações como critério de promoção foi uma das maiores conquistas da Lei 12.086/09, todo policial militar sabe das injustiças e arbitrariedades que existiam quando a avaliação era utilizada como critério de promoção.

A proposta elaborada pelo o Comando da PMDF ressuscita esse método de avaliação e sob um manto que sugere objetividade nessas avaliações se esconde as maiores covardias que um Comandante pode submeter seus subordinados já que prevê critérios morais como requisitos de promoção, um descalabro, absurdo jurídico, já que o direito à ascensão profissional é garantido a todos os servidores públicos e não pode ficar nas mãos de apenas dois superiores hierárquicos.

Art. 65. Para ser promovido pelos critérios de antiguidade ou de merecimento, é indispensável que o policial militar esteja incluído no Quadro de Acesso.

Art. 66. Para o ingresso no Quadro de Acesso é necessário que o policial satisfaça as seguintes condições de acesso:
VI - alcançar pelo menos 60% no conjunto de critérios estabelecidos como necessários para os conceitos profissional e moral no âmbito da Corporação, conforme previsão no Capítulo XI desta Lei;

Entende-se desses artigos que a objetividade das avaliações passam longe e podem dar margem a perseguições políticas e pessoais maiores daquelas que já ocorrem na Instituição PMDF.

Art. 77. O policial não poderá constar em Quadro de Acesso quando:

I - for considerado não habilitado para o acesso, em caráter provisório, mediante decisão fundamentada da respectiva Comissão de Promoção, por ser, presumivelmente, incapaz de satisfazer ao critério estabelecido para o conceito moral da Corporação;

X - tenha sofrido mais de duas punições disciplinares por cometimento de transgressão de natureza grave ou quatro punições disciplinares, por cometimento de transgressão de natureza média nos últimos 3 (três) anos, considerada a equivalência de duas punições disciplinares por cometimento de transgressão de natureza média a uma punição disciplinar por cometimento de transgressão de natureza grave; e

XI - tenha sofrido punição disciplinar de mais de 10 (dez) dias por cometimento de transgressão de natureza grave, ou mais de 20 (vinte) dias por cometimento de transgressão de natureza média, cumulativos ou não, nos últimos 3 (três) anos, considerada a equivalência de 2 (dois) dias por cometimento de transgressão de natureza média a 1 (um) dia por cometimento de transgressão de natureza grave.

Esse talvez seja a maior EXCRESCÊNCIA JURÍDICA da proposta do Comando da PMDF, como submeter o direito a ascensão profissional, direito inerente a todos os servidores públicos a um critério PRESUMIVELMENTE MORAL de uma Comissão composta por Oficiais nomeados por um ente político (LEIA-SE: CMT GERAL, GOVERNADOR)? Além disso, as transgressões disciplinares aplicadas na PMDF , são regidas por um Regulamento do Exército,com possibilidades arbitrarias de punição,distante da realidade de uma Instituição que deve Preservar Vidas e Direitos Fundamentais e do ordenamento jurídico do Estado Democrático de Direito. Mas ainda assim, as transgressões disciplinares já tem o condão de reger a conduta dos integrantes da PMDF, qual sentido delas influenciarem na promoção do Policial?

Depreende-se do texto que a proposta pretende manter um controle político sobre as promoções dos policiais militares, ficamos imaginando, será que aquele Policial Militar que se manifestar contra algum ato do Governo ou do Cmt Geral terá seu direito a promoção garantido?.

Esse regime de controle politico e moral das policias é típico das ditaduras socialistas e repúblicas bolivarianas.

Art. 82. A avaliação de desempenho profissional dos policiais na efetividade de serviço será feita por instrumento de medida denominado Ficha Individual de Avaliação - FIA, visando assegurar uma justa progressão na carreira e uma correta gestão dos recursos humanos, designadamente quanto a:

I - estabelecimento de conceitos profissional e moral a serem observados quando do processamento das promoções;

Art. 84. A avaliação de desempenho profissional será realizada por 2 (dois) Oficiais, sendo um deles, em regra, o superior hierárquico imediato e o outro o Superintendente, Chefe, Diretor ou Comandante.

Art. 91. As normas para a execução do sistema de avaliação dos policiais da Polícia Militar do Distrito Federal serão regulamentadas por ato do Poder Executivo Federal mediante proposta do Comandante-Geral encaminhada pelo Governador do Distrito Federal, no prazo máximo de 180 (cento e oitenta) dias a partir da publicação desta Lei.

SUGESTÃO: Criar um método de avaliação dos policiais com critérios puramente objetivos(nº de flagrantes apresentados, TAF, TAT (Tiro), Cursos de Especialização que possui, Redução da Taxa de Criminalidade da Região que seu Batalhão se encontra, etc...) e gratificar financeiramente os mais bem avaliados.

A qualidade dos serviços públicos prestados por seus agentes não depende de prejudicar a carreira de quem supostamente não presta um bom serviço, para isso os regulamentos disciplinares cumprem seu papel, mas sim de beneficiar adequadamente aqueles servidores que objetivamente prestam melhores serviços, criando um clima de competição positiva e colaborativa.

Esses critérios devem estar previstos em Lei, previstos em decretos ou portarias, perdem segurança jurídica e ficam nas mãos e nas cabeças dos Comandantes.

5. Tatuagens (Art. 109 §4º)

§ 4º Para ingresso e permanência nos diversos quadros da Corporação o candidato não poderá possuir tatuagem ou pintura em extensas áreas do corpo ou em partes expostas ao público quando do uso de uniformes militares de qualquer modalidade.
Os Tribunais já decidiram reiteradamente que dispositivos nesse sentido são incompatíveis com ordenamento jurídico brasileiro.

6. Atribuições do Conselho Superior (Art.20, inciso VII)

Art. 20. Incumbe ao Conselho Superior, no âmbito da Corporação, manifestar-se sobre:
VII - proposta referente à remuneração, a ser encaminhada ao Governador do Distrito Federal; e,

SUGESTÃO: Se o Conselho Superior vai se pronunciar a respeito de um assunto que vai afetar toda a família policial militar, não seria mais justo que fosse composto por um integrante de cada posto e graduação?

7. Fim da Graduação de Cadete - Fim da Graduação de Soldado 2ª Classe (Art. 45)

Art. 45. O policial militar a que se referem os arts. 43 e 44 frequentará o curso inicial da carreira como aluno, na condição de Aspirante-a-Oficial e será promovido ao posto de Segundo-Tenente após o cumprimento dos requisitos na graduação, independentemente da existência de vagas.

SUGESTÃO: Se a graduação de cadete irá acabar poder-se-ia conceder um tratamento isonômico à carreira dos praças, possibilitando que o Soldado já ingressasse como Primeira Classe e após o CFP ,viesse a ser promovido a Cabo.

Conseqüentemente diminuindo o tempo de obtenção do topo da carreira dos praças, outro ponto muito questionado pelos policiais militares.


Fonte: Sugestões enviadas via email por um leitor

sábado, 27 de setembro de 2014

Esse policial merecia uma medalha

Se estivéssemos num país sério onde os princípios fossem levados à risca esse policial seria condecorado.

Mas como estamos no Brasil, terra tupiniquim, onde a maioria hipócrita acha que sua opinião vale mais do que uma ação bem planejada, o caso do policial da Lapa, no Estado de São Paulo, se transformou em pesadelo para ele, claro.

Na semana passada, depois de uma operação no Centro de São Paulo para impedir a ocupação irregular de camelôs, um policial foi o alvo da imprensa e da população, além da famigerada Comissão de Direitos Humanos, que numa ação exemplar defendeu a si e aos seus colegas numa ocorrência de desacato e resistência.

Não sou especialista no assunto, mas com certeza já me deparei com situações que exigiam um grau maior de responsabilidade profissional possível. Esse policial foi capaz de efetuar grandes atos antes de ter que preservar a própria vida e de seus companheiros.

Primeiro que promoveu o que deve ter aprendido no seu treinamento. Arma abaixada, dedo fora do gatilho, alerta à população, se defendeu e aos seus colegas. O disparo só aconteceu quando um civil, desprovido de qualquer direito ou dever, resolveu interferir na ação policial.

Como é possível pessoas se vangloriar da conduta de um indivíduo que tenta desarmar e desmerecer a conduta de um policial que tenta proteger sua vida e de seus companheiros, além e cumprir a preservação da ordem pública?

Os valores estão invertidos, o que é certo é visto como errado, e as pessoas que fazem as coisas erradas são vistas com mártires.



Fonte: Video Youtube

sexta-feira, 26 de setembro de 2014

Covardia! Não tem outro adjetivo.

Essa é a palavra mais adequada para o que oficiais do Alto Comando da Polícia Militar estão fazendo com as Praças e com a conivência desse governo descompromissado e mentiroso.

Querem a todo custo empurrar goela abaixo um Plano de Carreira sem transparência e carregado de vícios inconstitucionais menosprezando a capacidade intelectual dos integrantes dessas nobres instituições. Até filmagens estão sendo feitas ao final quando a pergunta crucial surge: “Quem é a favor desse Plano de Carreira?”.

Hoje (25), foi a vez do CPRS (Gama, Riacho Fundo, Recanto e Santa Maria) rejeitar essa proposta de cunho eleitoreiro que quer a todo custo alavancar esse governo sem crédito que aí está. Com certeza, unidades que têm comprometimento com a instituição haverão de rejeitar essa aberração autoritária. Existem pontos bons na proposta? Sim, com certeza, mas em sua maioria o que vem é para prejudicar a Praça. Nada imposto se comprovou eficiente e por mais que queiram tentar nos subjugar somos capazes, hoje, de mostrar o contrário.

Vergonha para o comando,  o governo e seus asseclas. O policial de hoje mostrou sua maturidade política e sabe muito bem fazer suas escolhas.

Escrevam o que digo: Semana que vem essas imagens filmadas das formaturas estarão inseridas no programa de propaganda eleitoral do PT dizendo que aceitamos e aprovamos a maior e melhor proposta de reestruturação já feita nas corporações.  Só esqueceram um detalhe: “Não somos mais idiotas e nem burros conduzidos por um cabresto".

Agora a pouco no DFTV 2ª edição foi divulgada por esse governador mentiroso que ele vai dar um aumento para policiais e bombeiros, vai fazer a reestruturação no próximo governo dele e que vai dar um novo aumento salarial e disse ainda que concedeu um aumento tão grande que teve que parcelar tal aumento, afirmando ainda que tem um grande carinho pela classe policial militar (igual a crocodilo quando come seu filhote). Será que esse governo ainda não aprendeu que estamos mais maduros? Levaram quanto tempo para chegar a essa conclusão? Agora, depois de verem que seus projetos eleitoreiros estão indo para o ralo vêm com essa conversa? Acordem governantes, somos adultos e politizados.

Dá para perceber que esse governo entrou no desespero total e que todas as facetas possíveis serão empregadas com o intuito de se salvarem? Agora é a hora do elefante acordar. Temos a obrigação moral de mostrarmos a esses que tantos nos menosprezaram que somos capazes. Somos 10% das intenções de votos em todo Distrito Federal. Em Brasília, a depender dos integrantes da Polícia Militar, PT NUNCA MAIS!

Parabéns CPRL, vocês defenderam e preservaram os vossos futuros. Honraram os integrantes da Polícia Militar. Que os demais sigam o exemplo!


PS: Agora a noite fui surpreendido com uma informação através de um ofício (anexo) que o governo do Distrito Federal, através do subcomando da Corporação, convocou os policiais sub-judices para uma “conversa”. Depois de 3 anos resolvem fazer isso? No mínimo suspeito. Será que nunca vão aprender?

Eleitoreiro ou não, que se faça justiça, pois são profissionais e pais de família. Assim funciona uma democracia.

Poliglota25190...

quarta-feira, 24 de setembro de 2014

Eleições 2014: Paciência têm limite...


Nobres colegas policiais e bombeiros militares, leitores e eleitores,
Peço licença aos senhores para lhes tomar uns minutos de seu precioso tempo.

Fomos obrigados a utilizar de nosso meio de comunicação para que pudéssemos fazer chegar ao maior número possível de colegas nossa indignação com os fatos que estão acontecendo e ao mesmo tempo esclarecê-los melhor.

Como tudo tem um limite de tolerância, não podemos mais ficar inertes diante da irresponsabilidade, falta de ética e caráter que está sendo cometido por alguns candidatos contrários à nossa eleição, que estão propagando por todos os locais por onde tem passado inverdades sobre as possibilidades do Poliglota ser eleito.

Dizem esses candidatos, alardeados por seus assessores que devem ter a mesma qualificação que tais, que o Partido do Poliglota, o DEMOCRATAS, não atingirá o Coeficiente Eleitoral e que os votos depositados nele serão perdidos, conforme acontecido com o Ex policial Ayres Costa. O que esses candidatos não citam é que na época do Ayres Costa ele tinha em seu partido somente 23 candidatos e não os 48 que hoje o Democratas dispõe, além de seu cadastro reserva, se for necessário.

Para que fique bem claro a todos, vou explicar-lhes o que é o Coeficiente Eleitoral e a atual situação do Democratas e do Poliglota:

1º) O Coeficiente Eleitoral é a quantidade de votos VÁLIDOS do eleitorado brasiliense dividido pelo número de cadeiras da Câmara Legislativa. Existe uma estimativa de que esse Coeficiente se aproxime de 65 mil votos, tendo em vista o número de eleitores votantes em 2014 ser de 1.897.677 (Fonte:TRE). Porém esses votos só serão computados após as eleições;

2º) Esse total de votos que definem o Coeficiente Eleitoral não é para o candidato e sim para o PARTIDO/COLIGAÇÃO, TODOS, sem exceção. Portanto, é inverídico que candidato A, B ou C tenha que obter essa quantidade de votos para se eleger, como muitos adversários oportunistas e inescrupulosos estão disseminando nos quartéis, postos policiais e redes sociais. O PARTIDO/COLIGAÇÃO sim tem essa obrigação de alcançar esse Coeficiente somando-se todos os votos da legenda arrebanhado por seus candidatos;

3º) Por ter saído sem coligações, os votos depositados no Democratas beneficiará somente os candidatos do partido. O Democratas não elegerá nenhum candidato de outro partido e muito menos qualquer “CACIQUE” da política que tem notória experiência política, nome e recursos financeiros, como ocorre no PRTB/PMN e PTB/PR. Nossos votos serão exclusivamente nossos. Mas isso esses candidatos não informam ao eleitorado. Além do mais, o Democratas tem um total de 21 mil filiados (http://www.tse.jus.br/partidos/filiacao-partidaria/relacao-de-filiados) que religiosamente votam na legenda e hoje dentro do partido temos com toda certeza pelo menos uma meia dúzia de potenciais candidatos acima de 5 mil votos (Tatu do Bem, Vielton Araújo, Telma, Drº Otávio, Cassius Clayton, Carlos Mackalister e Conselheiro Alberto), sem desmerecer os outros, óbvio. Matematicamente falando, se somarmos esses votos chegaremos a uns 30 mil votos, mais os votos dos filiados (que sempre levam mais uma pessoa) e os restantes 42 candidatos com menos potencial de votos terão que fazer juntos apenas 330 votos cada um para eleger o seu primeiro candidato. Nesse caso, o Poliglota precisa apenas ser o primeiro da nominata e acima de 10 mil votos. AINDA RESTARÁ ALGUMA DÚVIDA DE QUE O DEMOCRATAS NÃO ATINGIRÁ O COEFICIENTE?

4º) Nas coligações, como é o caso do Chapão Militar (PRTB/PMN e PTB/PR), cada coligação dessas terá que ter 65 mil votos para eleger UM candidato. Observem que eu disse UM candidato. Portanto, para os PMs que estão nessas coligações e que não são cabeças de chapa a briga vai ser violenta, pois terão que bater os CACIQUES dessas coligações até que os votos cheguem a eles. Em realidade os CACIQUES profissionais em política queriam apenas dividir a categoria, pois os candidatos da PMDF foram transformados em meros “carregadores de votos” para elegê-los. E pelas contas de dois candidatos dessa coligação (do qual um disse ser o 6º na fila), eles afirmam precisar somente de 15 mil votos e 8 mil votos, o  que é uma inverdade pelo provado acima, e que na última eleição (2010) tiveram irrisórios 1.038 votos e 713 votos, respectivamente. (http://www.tse.jus.br/eleicoes/eleicoes-anteriores/eleicoes-2010/estatisticas). Aliás, não se pode afirmar quantos votos o candidato precisará para ser eleito, pois não se sabe o desempenho do companheiro da coligação e nem qual será o Coeficiente Eleitoral, pois os votos válidos na última eleição foram de 1.429.093 o que significou um Coeficiente Eleitoral de 59.545 votos. Isso só será revelado no resultado das urnas. Portanto, para eleger o 6º da coligação conforme o candidato afirma, seriam necessário 390 mil votos para atingí-lo. Seria possível?

5º) Partindo desse princípio informado acima, vejam bem que antes dos PMs e Bombeiros existentes no Chapão Militar, existem os seguintes candidatos e seus votos em 2010: PTB/PR: Washington Mesquita (21.111), Cristiano Araújo (17.047), Dr. Charles (14.239), Bispo Renato (12.812), Nilo e Aylton Gomes (11.278). Portanto, os candidatos militares terão que bater todos esses e cada voto que o policial e bombeiro agregar será para somar o coeficiente e eleger UM candidato por coligação (lembrando que o candidato só é beneficiado quando a coligação ou partido atinge 65 mil votos).

6º) PRTB/PMN: Liliane Roriz (21.999), Paulo Roriz (16.672 e era do DEM), Toninho Pop, Juarezão (7.205), Rony Andrade (3.658), Dedé Roriz e Delegado Fernando Fernandes.

7º) PMDB: Wellington Luiz (10.333), Robério Negreiros (9256), Roberto Lucena (10.076), Rafael Prudente (filho de Leonardo Prudente), Stênio e Georgiano Trigueiro (apoiado por Roney Nemer) e Hermeto (5.176). Esse partido saiu sem coligação também, não esqueçam.

Conclusão: Na verdade o que determinados candidatos como Jabá, Guarda Jânio e Hermeto estão fazendo nas portas dos quartéis é tentar desqualificar uma candidatura que é sólida, limpa e honesta e que conforme a ciência exata que é a matemática, e após a análise do cenário completo, inclusive com matéria já publicada no blog do Halk (quadro em anexo http://halkpmdf.blogspot.com.br/2014/09/analise-da-nominatas-deputado-distrital.html), verifica-se que a única pessoa que pode ser eleita apenas com a dependência do público interno da PMDF é o Poliglota, pois quem votar nele não estará desperdiçando o voto nem levando esses votos para um CACIQUE.

O que esses candidatos deveriam se preocupar era com suas próprias campanhas e deixar de propagar mentiras e leviandades contra seus adversários, repito, adversários e não inimigos, pois na eleição passada o candidato Jânio (13.735 votos) perdeu a eleição por uma quantidade ínfima de votos para o candidato Joe Vale (13.876 votos) por apenas 141 votos e os candidatos Pato e Jabá, que tiveram um desempenho pífio, atingiram 1.038 e 713 votos, respectivamente.

Peço desculpas a todos os leitores, eleitores e colegas candidatos que que fazem suas campanhas honestamente e não compactuam com esse tipo de prática, mas uma resposta à altura estava sendo devida a essas pessoas que não se comportam como deveriam e levam as nossas categorias ao descrédito junto a sociedade, causando uma enorme confusão interna na escolha de nossos representantes. Confesso que gostaria muito que elegêssemos o maior número possível de representantes e mostrássemos nossa força, mas será que muitos estão preparados para nos representar, a contar pelas suas práticas?

A análise do cenário está aí e deixo para cada um dos senhores suas próprias conclusões e que o dia 5 de outubro revele a verdade sobre quem verdadeiramente merecerá nossa confiança e respeito ocupando dignamente uma cadeira na Câmara Legislativa.


Poliglota25190...

domingo, 21 de setembro de 2014

Poliglota se encontra com Frejat que reafirma compromisso com Policiais e Bombeiros do DF.


Hoje (21), em uma audiência exclusiva na residência do candidato ao governo do Distrito Federal, Jofran Frejat, levamos ao conhecimento do mesmo o imbróglio que se encontra o Plano de Carreira dessas duas corporações e a preocupação das categorias com o que nos reserva o futuro.

Bastante solícito e completamente desprovido de qualquer vaidade, o candidato reafirmou o compromisso feito pelo antecessor, José Roberto Arruda, de que o Plano de Carreira que está sendo elaborado por um grupo sem consulta e participação dos maiores interessados, AS PRAÇAS, não será levado adiante caso seja eleito. Ele será retirado da pauta e elaborado um novo Plano de Carreira que atenda aos interesses da maioria.

Para Arruda, Poliglota é o mais preparado

Em uma das primeiras reuniões de Arruda com policiais e bombeiros no dia 18 de julho em Águas Claras, o mesmo já havia afirmado que a grande capacidade de articulação política do Poliglota o credenciam a representar a classe e que isso o deixaria muito feliz se ele fosse eleito.

Ato de confirmação dos compromissos

Por isso, convidamos a todos os policiais, bombeiros e familiares para que compareçam na Terça-feira ao grande evento de assinatura de compromisso com nossa categoria pelo candidato a governador do Distrito Federal Jofran Frejat.

Assistam aos vídeos:

sexta-feira, 19 de setembro de 2014

Reestruturação: Policial e Bombeiro, não caiam nessa armadilha desse governo.

Estamos recebendo informações online das formaturas que estão acontecendo com diversos batalhões, e as notícias não são nada boas.

A estratégia das assinaturas foi alterada e apenas uma pergunta está sendo feita no final das explanações que está sendo filmada pelo comando: “Você aprova ou não o Projeto?”.

Pasmem, mas a maioria está apoiando essa decadência. Está montado o golpe!

O que me deixa mais abismado é o fato de que até o policiais mais modernos estão se direcionando para o apoio, poucos meses depois do próprio comando dizer que eles não existiam.

Observo que o nosso policial está preocupado com as promoções e estão se esquecendo da Lei 10.486/2002 (Lei de vencimentos) que está defasada há quase 13 anos e que ninguém toca no assunto. Sem alterações nessa Lei de nada vai adiantar a formulação e uma nova Lei para substituir a 12.086/2009. Na verdade o que precisa ser feito nessa Lei 12.086/2009 é um ajuste e nada mais, pois querendo ou não, com o fim do sobrestamento teremos que fazer valer a partir de 2015 as promoções.

Se lermos o projeto com atenção, veremos que as promoções estão previstas de 4 em 4 anos sem dependência de vagas, mas a coisa não funciona bem assim! Muitos Sargentos ainda não dispõem do CAP e CAEP que é uma exigência para a promoção e tais cursos estarão sob o poder discricionário do Comandante Geral da corporação, cabendo exclusivamente a ele determinar o quantitativo de vagas e quando haverá tais cursos. E se partirmos do princípio de que somente 300 policiais são habilitados por ano, ao final e 4 anos teremos somente 1200 habilitados para as promoções com o interstício previsto e os demais NÃO SERÃO PROMOVIDOS.

Quem não lembra que com a edição da Lei 10.486/2002 o soldo de um soldado era quatro vezes o salário mínimo. E hoje? Se não houver complemento fica abaixo do valor, concordam?

Temos que pensar em modificar a Lei 10.486/2002 e trazer para a responsabilidade do GDF a sua regulamentação. Aí sim estaremos garantidos na reserva. Ademais, mexer com a 12.086 e fingir que a 10.486 não existe acabará levando todos para a vala comum, pois daqui a 15 anos (próximo dela completar 30 anos) nosso salário não valerá um centavo. E os inativos e pensionistas? Já pensaram nisso? E você policial, amanhã será um inativo, sem sombra de dúvidas e aí verá o quanto sofrerá com os efeitos da aprovação desse Projeto.

O que queremos dizer é de que nada adianta vir promoções se de fato o que realmente importa é o ganho “real” de salário, coisa que da forma que está infelizmente nunca será alcançada.

Portanto, reflitam: Hoje qual é a vantagem de ser Subtenente se o salário ainda é e continuará sendo regido por uma lei de 2002 com 13 anos de existência? Sem contar que muitos parecem estar de fato preocupados com promoções, e que no final das contas, nada representará, porque se já está ruim com esse salário hoje, imaginem daqui uns 5, 10 ou mais anos sem que essa Lei 10.486 sofra qualquer tipo de alteração/reajuste.

A prova de que estamos falando a verdade está aí abaixo, e contra fatos e números não pode haver contestações! Vejam:

Salário mínimo em 2002: R$ 200,00
Salário mínimo em 2003: R$ 240,00
Salário mínimo em 2004: R$ 260,00
Salário mínimo em 2005: R$ 300,00
Salário mínimo em 2006: R$ 350,00
Salário mínimo em 2007: R$ 380,00
Salário mínimo em 2008: R$ 415,00
Salário mínimo em 2009: R$ 465,00
Salário mínimo em 2010: R$ 510,00
Salário mínimo em 2011: R$ 540,00
Salário mínimo em 2012: R$ 622,00
Salário mínimo em 2013: R$ 678,00
Salário mínimo em 2014: R$ 724,00

Fonte: http://www.guiatrabalhista.com.br/guia/salario_minimo.htm

Os reajustes nesses 12 anos só em cima do salário mínimo foram de 262%!!! Isso mesmo 262% em 12 anos, o que dá uma média anual de 21,83% ao ano fora as diversas contas, impostos, taxas e etc. que são reajustadas ano após ano, como por exemplo, luz, água, telefone e combustíveis que já sofreram só esse ano diversos reajustes.

Portanto, quando tal Lei entrou em vigência, pasmem, só de “soldo” o soldado ganhava quase 4 vezes o salário mínimo, fora as demais gratificações/adicionais e etc. E hoje nossa realidade é totalmente diferente, pois querendo ou não, boa parte está recebendo complemento do soldo, visto que na constituição ninguém pode receber valores menores do que o salário mínimo.

Com base nisso, fazemos os seguintes questionamentos a todos:

1º) Seu salário teve esse mesmo reajuste anual?

2º) Só promoção fez com que largasse o bico, voluntários e etc?

Podemos garantir que não! Portanto, parem e reflitam no que estão querendo para o futuro, pois ao tomar essa atitude de só pensar em promoção, todos estarão “literalmente” se matando em vida. E sabem porque? Porque vários já estão sendo cobrados agora na atividade. Agora pare e se vislumbre daqui a 30 anos em que o buraco estará enfiando não só você, como eu e todos nós!

Concluindo, do que adianta termos a falsa ilusão de sermos promovidos se no fundo só vai aumentar o gasto com novas fardas? Parem e pensem! Principalmente os mais modernos de hoje. Se já está ruim hoje com essa lei altamente defasada, o que dizer daqui a 20 anos quando sair Subtenente? Ou seja, o seu futuro será o mesmo do antigo de hoje, que é se matar nos SVG´s, nos bicos, e etc. Salvo melhor juízo, por causa do “EGO” em só pensar em promoções, todos estão cavando uma cova mais do que coletiva para todos que estão dentro, fora ou ainda pensam em entrar.

Finalizando, se desejam de fato comprovar que a nossa instituição caminha para a falência, a escolha pela aprovação desse Projeto será a comprovação.

Nossa equipe técnica elaborou um estudo sobre a Lei 10.486/2009 a qual disponibilizamos para todos para que analisem com sapiência. Nela propomos a transferência das regulamentações para o Governo do Distrito Federal, porém há a necessidade de todo empenho da bancada federal do DF no Congresso, a ser eleita, pois teremos que nos livrar definitivamente dos antigos territórios, e isso será uma luta árdua.

LEI 10.486/2002
Art. 1º. Os artigos 1º, 2º, 3º, 18, 20, 30, 33 da Lei 10.486, de 04 de julho de 2002 passam a vigorar com a seguinte redação:

Art. 1o ......................................................................................................
I - ......................................................................................................
II - ......................................................................................................
a) ......................................................................................................
b) ......................................................................................................
c) ......................................................................................................
d) ......................................................................................................
e) de Título Acadêmico;
III - ......................................................................................................
a) ......................................................................................................
b) ......................................................................................................
c) ......................................................................................................
Parágrafo único. ......................................................................................................

Art. 2º ......................................................................................................
I - ......................................................................................................
a) ......................................................................................................
b) ......................................................................................................
c) ......................................................................................................
d) ......................................................................................................
e) ......................................................................................................
f) ......................................................................................................
g) ......................................................................................................
h) ......................................................................................................
i) ......................................................................................................
II - ......................................................................................................
a) ......................................................................................................
b) ......................................................................................................
c) ......................................................................................................
d) ......................................................................................................
e) adicional de inatividade;
Parágrafo único. Os valores representativos dos direitos previstos neste artigo são os estabelecidos em legislação específica de forma igualitária para todos os postos e graduações, regulamentado pelo Governo do Distrito Federal.

Art. 3º ......................................................................................................
I - ......................................................................................................
II - ......................................................................................................
III - ......................................................................................................
IV - ......................................................................................................
V - ......................................................................................................
V- adicional de Título Acadêmico – é composto pelo valor individual referente a 01 (um) curso de Pós-graduação ou equivalente, ou 01 (um) curso de Pós-graduação em nível de Mestrado ou equivalente, ou 01 (um) curso de Pós-graduação em nível de Doutorado ou equivalente, ou 01 (um) curso de Pós-graduação em nível de Pós-Doutorado ou equivalente, inerente aos cursos realizados com aproveitamento, regulamentado pelo Governo do Distrito Federal.
VI - ......................................................................................................
VII - ......................................................................................................
VIII - gratificação de Serviço Voluntário – parcela remuneratória devida ao militar que voluntariamente, durante seu período de folga, apresentar-se para o serviço de policiamento, prevenção de combate a incêndio e salvamento, atendimento pré-hospitalar ou segurança pública de grandes eventos ou sinistros, com jornada não inferior a 06 (seis) horas, na conveniência e necessidade da Administração, regulamentado pelo Governo do Distrito Federal;
IX - ......................................................................................................
X - transporte - direito pecuniário devido ao militar para custear despesas com transporte, quando estas não forem realizadas por conta de qualquer outro órgão ou entidade, nas movimentações e viagens por interesse do serviço ou conveniência administrativa, incluindo a necessidade de internação hospitalar decorrente de prescrição médica, utilizando os parâmetros estabelecidos na legislação federal e regulamentado pelo Governo do Distrito Federal;
XI - ajuda de custo - direito pecuniário devido ao militar, pago adiantadamente, por ocasião de transferência para a inatividade ou quando se afastar de sua sede em razão de serviço, para custeio das despesas de locomoção e instalação, exceto as de transporte, nas movimentações para fora de sua sede, regulamentado pelo Governo do Distrito Federal;
XII - auxílio-fardamento - direito pecuniário devido ao militar para custear gastos com fardamento, regulamentado pelo Governo do Distrito Federal;
XIII - ......................................................................................................
XIV - auxílio-moradia - direito pecuniário mensal devido ao militar, na ativa e na inatividade, para auxiliar nas despesas com habitação para si e seus dependentes, regulamentado pelo Governo do Distrito Federal;
XV - auxílio-natalidade - direito pecuniário devido ao militar por motivo de nascimento de filho, regulamentado pelo Governo do Distrito Federal;
XVI - auxílio-invalidez - direito pecuniário devido ao militar na inatividade, reformado como inválido, por incapacidade para o serviço ativo, regulamentado pelo Governo do Distrito Federal;
XVII - auxílio-funeral - direito pecuniário devido ao militar por morte do cônjuge, do companheiro ou companheira, reconhecido junto à Corporação ou do dependente, ou ainda ao beneficiário no caso de falecimento do militar, regulamentado pelo Governo do Distrito Federal.

Art. 18. O militar em missão especial no exterior terá sua remuneração calculada em moeda estrangeira, durante o período compreendido entre as datas de saída e retorno ao território nacional, conforme regulamentação do Governo do Distrito Federal.
Parágrafo único. (REVOGADO)

Art. 30. ......................................................................................................
Parágrafo único. ......................................................................................................
I - ......................................................................................................
II - ......................................................................................................
III - ......................................................................................................
IV - ...................................................................................................... 
V – ao adicional de Títulos Acadêmico;
VI – ao adicional de Inatividade.

Art. 33. ......................................................................................................
§ 1o A contribuição para a assistência médico-hospitalar, psicológica e social é de 20% a.m. (vinte por cento ao mês) e incidirá sobre o soldo, quotas de soldo ou a quota-tronco da pensão militar.
§ 2o ......................................................................................................
§ 3º ......................................................................................................
§ 4o ......................................................................................................
a) ......................................................................................................
b) ......................................................................................................
c) ......................................................................................................
d) ......................................................................................................

ANEXO I
TABELA DE SOLDO E ESCALONAMENTO VERTICAL
TABELA I – SOLDO
EM R$

POSTO OU GRADUAÇÃO
A PARTIR DE 1oDE MARÇO DE 2015
Coronel
3.195,04
Tenente-Coronel
2.875,54
Major
2.715,78
Capitão
2.556,03
Primeiro-Tenente
2.396,28
Segundo-Tenente
2.236,53
Aspirante-a-Oficial
1.278,02
Cadete (último ano) da Academia de Polícia Militar ou Bombeiro Militar
1.118,26
Cadete (demais anos) da Academia de Polícia Militar ou Bombeiro Militar
958,51
Subtenente
2.236,53
Primeiro-Sargento
1.917,02
Segundo-Sargento
1.757,27
Terceiro-Sargento
1.597,52
Cabo
1.437,77
Soldado - 1a Classe
1.278,02
Soldado - 2a Classe
958,51




TABELA II – ESCALONAMENTO VERTICAL
POSTO OU GRADUAÇÃO
OFICIAIS SUPERIORES

Coronel
1000

Tenente-Coronel
900

Major
850


OFICIAIS INTERMEDIÁRIOS

Capitão
800


OFICIAIS SUBALTERNOS

Primeiro-Tenente
750

Segundo-Tenente
700


PRAÇAS ESPECIAIS

Aspirante-a-Oficial
600

Cadete (último ano) da Academia de Polícia Militar ou de Bombeiro Militar
350

Cadete (demais anos) da Academia de Polícia Militar ou de Bombeiro Militar
300

PRAÇAS GRADUADAS

Subtenente
700

Primeiro-Sargento
600

Segundo-Sargento
550

Terceiro-Sargento
500

Cabo
450



DEMAIS PRAÇAS

Soldado - 1ª Classe
400

Soldado - 2ª Classe
300



ANEXO II
TABELAS DE ADICIONAIS
TABELA III – ADICIONAL OPERAÇÕES MILITARES
SITUAÇÃO
VALOR PERCENTUAL QUE INCIDE SOBRE O SOLDO DE CORONEL
FUNDAMENTO
Desempenho de Operações Policiais ou de Bombeiros e para a compensação dos desgastes orgânicos e danos psicossomáticos pelo desempenho das atividades técnico-profissionais nos respectivos Quadros (1)
25%
Arts. 1º e 3º, desta Lei.
Trabalho com Raios-X ou substâncias radioativas (1)
25%

(1) Não são acumuláveis


ANEXO III
TABELA DE GRATIFICAÇÕES
TABELA I-A – GRATIFICAÇÃO DE FUNÇÃO DE REPRESENTAÇÃO

SITUAÇÃO
VALOR DE INCIDÊNCIA
FUNDAMENTO
A
Militares na ativa e na inatividade
5% do soldo do Coronel
Arts. 1º e 3º desta Lei.
B
Representação Especial no Exterior
Conforme Legislação Federal



ANEXO IV (REVOGADO)

Clique Aqui para ver a Lei 10.486/2002