terça-feira, 16 de setembro de 2014

Alerta aos Policiais Militares


Nobres colegas,

Tendo em vista estar recebendo vários telefonemas de policiais, inclusive oficiais, me informando que foram convocados para assistirem a palestra sobre Reestruturação e que além de retirarem as faltas deverão assinar termo de presença, cito o seguinte:

Não deixem de cumprir a ordem, porém os que não concordam com o Projeto apresentado que deixem claro sua posição, de preferência por escrito. Se tal fato acontecer, serão feito denúncias de uso indevido da lista de presença ao Ministério Público e a toda imprensa.

O Regulamento Interno e de Serviços Gerais (RISG), em seu Artigo 116, Inciso VII diz que é de responsabilidade do Sargenteante apurar as faltas em formaturas e apresentá-las a autoridade competente e não cita assinatura em momento algum.

Em nenhum lugar na legislação castrense aparece a figura “assinar termo de presença”, por isso temo que tal fato possa ser utilizado em um futuro próximo e essas assinaturas serem utilizada como um “Termo de Acordo e Aprovação” do Projeto de Reestruturação.


Poliglota25190...

Reestruturação: Até quando essa novela se arrastará?


Depois de várias negativas de que o Projeto de Reestruturação vazado nas redes sociais não era o original, hoje (15) o site da Associação de Oficiais da PMDF (ASOF) publicou na íntegra e comentado o referido Projeto. Acesse o texto clicando Aqui.

Se estão mesmo preocupados com os interesses dos integrantes das corporações, a própria instituição e a sociedade, deveriam iniciar dando o exemplo através do respeito no tratamento dado aos policiais, bombeiros militares e leitores.

Se o intuito era informar, deveriam ater-se somente a isso e não dar ao texto uma conotação acusadora e generalizada. Subestimar a inteligência desses profissionais e tentar direcionar seus interesses a não utilização política é achar que os policiais e bombeiros são os mesmos de outrora. Aliás, a própria associação lançou candidatos com seu total apoio, portanto, que contrassenso é esse?

Mas voltando ao cerne da questão e como nosso objetivo é informar, acessem ao referido projeto clicando no link acima mencionado e tirem vossas próprias conclusões.


Poliglota...

segunda-feira, 15 de setembro de 2014

Nossos respeitos, mas não somos idiotas...

Quando o assunto é PMDF e CBMDF sempre aparecem polêmicas, principalmente em ano eleitoral.

A mais recente envolve a defesa ferrenha de parlamentares por causa do Projeto de Reestruturação que estava para ser encaminhado ao Congresso Nacional e que só não foi executado por pura pressão das categorias que se mobilizaram e impediram um evento que configuraria o ato no Clube dos Oficiais da PMDF envolvendo até mesmo o Vice-presidente da República Michel Temer.

O vídeo abaixo, feito em 24/10/2012, retrata o tratamento que sempre foi dado às categorias por nossos parlamentares e retrata o contrassenso do deputado distrital e presidente da Câmara Legislativa Wasny de Roure(PT). 



Dizer que é um dos defensores dos militares na Câmara Legislativa é brincar com a inteligência dos policiais e bombeiros do Distrito Federal.

Pertencente ao mesmo partido do atual governador, evidente que sempre foi informado do imbróglio que envolve o Plano de Carreira das categorias, no entanto se omitiu durante os quase 4 anos de governo de Agnelo e se negou a auxiliar as categorias nas suas reivindicações para que as 13 promessas feitas pelo governador fossem cumpridas, das quais a primeira era justamente um novo Plano de Carreira, dizendo que “procurássemos nosso representante” ( a partir dos 6’02min).

Desculpe-nos senhor candidato, mas estamos fazendo exatamente isso: Procurando um novo representante, mas com certeza não será o senhor, a depender dos profissionais honrados da Polícia Militar!


Por Poliglota...

sábado, 13 de setembro de 2014

Opinião: Uma análise sobre a renúncia de Arruda

Estava reunido com lideranças e colaboradores e acompanhando o resultado da decisão do ex-governador e candidato José Roberto Arruda.

Decisão sábia em prol do grupo político. Sabia Arruda que suas chances seriam mínimas, ainda mais se levarmos em conta que o processo já estava montado para que ele não concorresse e, pior, vencesse ainda no primeiro turno.


Sou de opinião que nada muda. Eleitores de José Roberto Arruda devem seguir suas orientação e coadunar com o propósito que é extirpar esse governo da capital federal e todos aqueles que a ele se aliaram em malefício de nossa população. E isso inclui a eleição da nova chapa Jofran-Flávia.


Agora, mais do que nunca, nós policiais e bombeiros precisamos entrar em processo contínuo de reflexão na escolha de nossos representantes. Temos que verificar quem são aqueles que estão apenas concorrendo, os que estão concorrendo por beiradas e aqueles que estão concorrendo para se abrigarem nas benécias do poder.

Grupos políticos descompromissados com a capital e principalmente com nossas classes já estão se organizando para se consolidarem no poder, mas creio que isso jamais acontecerá porque seremos parte desse processo de eliminação desse atual governo e todos os seus asseclas e tudo devemos fazer para que isso se concretize. Até mudança de jurisprudência foi realizada para impedí-lo de concorrer e vencer.

Temos que, tão somente, seguir o ciclo natural. Vamos apoiar quem Arruda indicou e ponto final. Não vamos nos iludir com falsas promessas e esperar sair algo de onde é impossível. Não podemos de forma alguma esquecer o passado e ele está vivo dentro de cada um de nós. Alguém ainda tem dúvida?

E quem pensava tirar vantagem da manobra judicial, pode quebrar a cara. Arruda tem eleitorado cativo e vai trabalhar fortemente para transferí-lo para Frejat, que por sua vez tem boa penetração na classe média e alta. Se trabalharem em harmonia, afinados e sem deixar a turma das vaidades atrapalharem podem ganhar a eleição até no primeiro turno.

É esperar pra ver. Afinal, em eleição, só não vale perder!

Por Poliglota...

Arruda desiste da candidatura: Jofran Frejat é o substituto e Flávia Peres entra na disputa como vice


Arruda desiste de ser candidato ao governo do Distrito Federal. Quem vai substituí-lo é seu vice Jofran Frejat (PR). A mulher de Arruda, Flávia Peres (PR), será a vice na chapa.

A decisão foi tomada agora em reunião entre Arruda, Gim Argello e Valdemar Costa Neto. Chapa deve ser anunciada ainda hoje.

Neste momento, Arruda está reunido na casa de Joaquim Roriz para definir estratégias do anúncio.

Fonte: Por LILIAN TAHAN, blog Grande Angula - 13/09/2014

sexta-feira, 12 de setembro de 2014

Reunião às pressas para mudanças na proposta de reestruturação


Bombeiros militares são convocados para fazer possíveis mudanças na proposta de restruturação da carreira

Ontem, quinta-feira, dia 11 de setembro, foi realizada uma reunião entre diversos militares, de diversas graduações, e das mais diversas unidades, no auditório da ABMIL. Alguns foram voluntários e outros estavam lá compulsoriamente. A reunião foi presidida pelos Cel Alcantra e TC Lisandro.

O assunto discutido foi a restruturação da carreira de bombeiro militar. É preciso lembrar que uma comissão já havia sido formada há cerca de quatro meses e elaborou a proposta que havia sido enviada ao GDF, e que por motivos ainda desconhecidos retornou a mesa e agora é apresentada para suscitar, quem sabe, algumas mudanças.

A reunião começou com a apresentação do projeto pelo Cel Lisandro, com os seguintes pontos já inclusos no texto:

- Licença para frequentar curso de formação;
- Licença para acompanhar cônjuge com tempo máximo de 3 anos;
- Instituto da Recondução com tempo máximo de 3 anos (o militar pode sair da corporação e dentro desse período de 3 anos retornar à caserna);
- Instituto de Readaptação (o militar que tiver alguma invalidez parcial, terá a possibilidade de ser aproveitado em alguma atividade compatível com sua deficiência, sem prejuízo para carreira, ou seja, não perderá as promoções);
- Reserva remunerada para as mulheres com 25 anos de serviço;
- Auxílio Inatividade (especula-se que seja um valor compensatório pela perda do Auxílio Alimentação);
- Gratificação para instrutores e monitores;
- Gratificação por titulação (pós-graduação, mestrado, doutorado);
- Auxílio Acidente (uma espécie de seguro com uma tabela de valores diferenciados para cada tipo de situação);
- Quadro civil com funções técnico-administrativas (nível médio);
- Aumento da idade de ingresso no CFP e CFO (30 anos);
- Independência de vagas para promoção de praças;
- Interstício de 4 anos, com exceção dos 1° Sgts no momento da edição da lei, que será de 3 anos;
- Promoção por tempo de serviço (25 ou 30 anos de serviço);
- Criação da QBMG 5 específico para APH e Policlínica, sem prejuízo nas promoções. (haverá regra de migração entre outros os quadros);
- Auxílio Permanência
- Tempo máximo de 4 anos nos últimos postos, exceto o de subtenente (major adm. e coronel);
- Tempo máximo de serviço de 35 anos;
- Ajuste de vagas em todos os quadros de oficiais conforme necessidade de cada quadro.

Após a apresentação destes pontos, os bombeiros presentes, cerca de cem militares, fizeram perguntas e sugeriram mudanças em diversos pontos. As principais sugestões giravam em torno dos mesmos assuntos:

- Carreira única com entrada única;
- Promoção do praça à oficial pela antiguidade e/ou merecimento;
- Aumenta de vagas no quadro de oficiais;

Em alguns momentos a discussão teve uma pincelada de emoção e até alguns desabafos por parte de militares com mais de 20 anos de serviço, que sinalizaram uma frustração na carreira por terem vencido diversas barreiras como a ascensão através dos concursos e cursos internos (CFC, CFS, CAS, CAP, CAEP), e que mesmo assim estavam estacionados na carreira, fadados a serem subtenentes na inatividade. Emoções à parte, a reunião transcorreu de maneira respeitosa e apesar de quase 7 horas de intensos debates, argumentações e apresentações, todos os que se predispuseram a falar foram contemplados.

Ao final da reunião foi decidido que a proposta seria disponibilizada na intranet do CBMDF, para consulta e sugestões. Uma nova reunião está marcada para a próxima terça-feira, dia 16 de setembro. Neste espaço de tempo escasso, os militares presentes poderão capitar as sugestões de suas unidades para levá-las à discussão e, quem sabe, fazer os ajustes necessários no projeto, que tem prazo estipulado pelo GDF para devolução no dia 25 de setembro de 2014.

Embora essa seja uma oportunidade singular na história do CBMDF, onde a discussão pôde ser aberta e sem as esporas do militarismo colocando freio na argumentação e nos sonhos dos bombeiros, há um clima de desconfiança no ar, já que estamos a poucos dias das eleições e a proposta tem um tempo apertado para ser devolvida, 10 dias antes da eleição. Além disso uma pergunta feita por um dos bombeiros reflete bem este clima, que dentre outras palavras disse “Até que ponto as sugestões aqui apresentadas, e quem sabe apreciadas pela maioria, serão aceitas ou não? Quem define tais circunstâncias para que não estejamos aqui, quem sabe, num teatro, onde estaremos falando de algo que não mudará nada“. A resposta foi que as questões estão abertas para possíveis acréscimos e evidentemente alguns itens terão menor ou nenhuma flexibilidade. Segundo os oficiais presentes, há também o receio de que algumas questões que, embora seja anseio da maioria, possa atrapalhar o processo de aprovação.

O Portal Somos Heróis não fará juízo de valores significativos sobre este processo de discussão para apresentação da proposta de restruturação da carreira, até que tudo se encerre e teremos então uma melhor avaliação do que foi visto, discutido, aprovado ou não. A dificuldade em se elogiar ou criticar, é porque não houve tempo suficiente para apreciação da proposta na íntegra, já que ela só foi disponibilizada nesta data para consulta. É verdade que muitos militares que estiveram na pequena comissão que construiu tal proposta, dedicaram tempo e estudo para tal, e mesmo ela não atendendo os gritos da tropa por uma carreira única, igualitária e justa, é preciso reconhecer os valores destes militares. Contudo, é preciso ressaltar que algumas limitações culturais e filosóficas emperram o processo, porque tudo parte do princípio que a tropa AINDA É MILITAR, e portanto estas barreiras dificilmente serão ultrapassadas enquanto o “CB” não perder o “M”, ou seja, na condição de militares alguns anseios esbarram nas funções que cada graduação tem e nas limitações que os regulamentos impõem. Alguém pode pensar: Como poderemos ter uma tropa com tantos subtenentes? Quem fará as funções de soldado, cabo e sargentos? Este questionamento só existe porque se está pensando com o neurônio militar, porque à exemplo das polícias civil, rodoviária e federal, chega-se ao teto da carreira em 15 anos de serviço. Será que não podemos ser vanguarda nessa mudança?

Fonte: Blog Somos Heróis

quarta-feira, 10 de setembro de 2014

Reunião Geral: A força das categorias – Vídeos

Prezados colegas e leitores,

Estamos divulgando, na íntegra, sem cortes e sem censuras, os vídeos da nossa manifestação ocorrida no dia 09/09/2014 em frente ao Clube dos Oficiais da PMDF conforme prometemos. Pedimos desculpas pelas imagens, mas era esperado que todas as dificuldades fossem colocadas em nosso desfavor naquele dia. Nem a iluminação externa foi acesa.

Apesar de inúmeras colocações no blog e redes sociais de forma a tentar desqualificar a coragem e a perseverança daqueles que lá compareceram e acreditam que as mudanças são possíveis com união e força, voltamos a afirmar que nossos compromissos não são com pessoas, governos e governantes, mas sim com categorias que acreditaram em nosso trabalho sério e responsável e pelos quais lutaremos incansavelmente.

Volto a enfatizar as autoridades constituídas que não nos subestimem ou ignore-nos. Somos totalmente capazes de interferir no cenário político de nossa capital com nossos quase 200 mil votos e aqueles que acham que não podemos que paguem para ver. Sofremos os piores momentos de nossa existência nesses últimos quatro anos com esse governo que aí está e não vamos mais permitir que isso aconteça.

Nós existimos sim!

Poliglota25190...

Manifestação no COPM – Parte 1



Manifestação no COPM – Parte 2

Após pressão de Praças da PM e BM Plano de Carreira é devolvido às corporações

A força e união das categorias de policiais e bombeiros militares de Brasília acabaram por levar o Vice-governador Tadeu Filippelli, candidato à reeleição, a determinar a devolução do Plano de Carreira (Reestruturação) às corporações da Polícia Militar e Corpo de Bombeiros.

Motivo de muita polêmica por ter sido apresentado ao governo local sem a apresentação na íntegra e uma discussão interna com as categorias, policiais e bombeiros reunidos hoje à noite (09) em frente ao Clube dos Oficiais da PMDF (COPM) rejeitaram a proposta de encaminhamento do Plano ao governo federal.

Previsto para ser apresentado ao vice-presidente da República Michel Temer num evento nas dependências do COPM às 20:00 horas de hoje, a estratégia foi rapidamente alterada em virtude dos policiais convocarem uma assembléia para o mesmo horário e no estacionamento externo do clube como ato de repúdio, o que poderia causar constrangimento à autoridade presente, sendo cancelado o evento.

Mesmo assim, os organizadores deram continuidade a realização da assembléia, seguindo o compromisso firmado pelo Poliglota (DEM) de que o ato não teria nenhum cunho político, o que realmente aconteceu. Os policiais e bombeiros presentes, por maioria absoluta, votaram pela NÃO ACEITAÇÃO do atual Plano de Carreira entregue ao GDF pelos comandos da PM e BM.

Estiveram presentes ao evento os candidatos a distrital CB Eliomar Rodrigues, ST Ricardo Pato, SGT Carlos Mackalister, CB Clayton, Lima Filho, Cacau Carvalho e o candidato a federal Ten Alberto. Com exceção do Cel Neviton Sangue Bom, nenhum candidato policial militar que apóia a coligação que tenta reeleger o governador Agnelo Queiroz compareceu, nem mesmo um candidato do PMDB, ex-administrador e policial militar que divulgou nas redes sociais ter sido o responsável pela devolução do Projeto.

Os vídeos da reunião serão adicionados à matéria assim que forem processados e na íntegra, sem edições.

Poliglota...